do que não foi II

costumava tocar essa canção pensando em ti
e imaginava o dia em que poderia tocar ela para ti,
longe de tudo e todos que conhecíamos,
diferente de tudo que queríamos,
[até ali.]

mas tudo se despedaçou
 por causa de um deslize
que se transformou numa crise
tão desnecessária, ácida, definitiva
tão imatura e evasiva

não há grandes explicações,
só a aceitação
de que eu nunca
tocarei essa canção
para ti.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

da transmutação do tudo em nada ou do nada em tudo

quanto mais ando mais quero andar quanto mais sei mais quero saber mas quanto menos quero melhor estou quanto menos almejo ...