do que não foi II

costumava tocar essa canção pensando em ti
e imaginava o dia em que poderia tocar ela para ti,
longe de tudo e todos que conhecíamos,
diferente de tudo que queríamos,
[até ali.]

mas tudo se despedaçou
 por causa de um deslize
que se transformou numa crise
tão desnecessária, ácida, definitiva
tão imatura e evasiva

não há grandes explicações,
só a aceitação
de que eu nunca
tocarei essa canção
para ti.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

a riqueza do vocabulário versus a falta do verbo

mais do que qualquer outra coisa é meu apreço pelas palavras que me faz escrever a vontade de ter um grande léxico de palavras inesquec...