Silêncio, logo existo

Quando a voz ecoa menos
nos dias abençoados de clima ameno,
a alma ecoa mais;
vai do caos ao cais

Executa os verbos da ordem natural:
venta e se discorre em temporal,
se dissolve em cores comestíveis,
e em devaneios perecíveis,
retira do coração todas as adagas,
e encontra a psiquê, e a indaga.

Tamanho é o dilatar
que o melhor é se deleitar;
o maior sabor é o da existência
de cada alma e sua consciência
cheira como o orvalho da hora mais fresca da manhã,
tem gosto de suco de goiaba com hortelã,
e de todas as outras coisas mais.

[Meados de 2013]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

a riqueza do vocabulário versus a falta do verbo

mais do que qualquer outra coisa é meu apreço pelas palavras que me faz escrever a vontade de ter um grande léxico de palavras inesquec...