dos estilhaços espalhados por aí

canso
descanso
quebro

me quebro,
milhares de estilhaços,
espalhados por aí.
marcas, indícios
de depravado vício
que emerge
do nada e submerge
atemporal

canso
descanso
componho

e me recomponho
esquecendo os fracassos
de me dar por aí,
misturo arte na tristeza
com certa destreza
de praxe
assim mesmo, sem sintaxe,
informal

canso
descanso
parto

e me reparto
em vários pedaços.
de novo, me espalho por aí,
deixo marcas, resíduos
nalguns indivíduos
que surgem
do nada, feito nuvem
de temporal

canso
descanso
lembro

relembro
que é parte do acaso
esses pedaços espalhadas por aí,
e dentre tantos tropeços
quase me esqueço
que no fundo
o que eu quero é sempre mais profundo
e visceral

Nenhum comentário:

Postar um comentário

da transmutação do tudo em nada ou do nada em tudo

quanto mais ando mais quero andar quanto mais sei mais quero saber mas quanto menos quero melhor estou quanto menos almejo ...