tempo tempo tempo tempo

as horas, os meses correm, e devastam
tudo que cai no esquecimento,
jogam em buracos do subconsciente,
cobrem com muito cimento,
implacáveis, correm sem parada
intermináveis, acabam mas continuam
para sempre

os dias passam rápido,
escorrem entre colunas de concreto
que insistem e coexistem
com a fluidez desse tempo abstrato.
distorcido e manipulado,
fragmentado e misturado
dentro da consciência e
da inconsciência

e os fragmentos são pontiagudos
e se fincam em cada curva emocional
e alteram a percepção do proporcional,
estendem os segundos vividos
comprimem os dias passados
- valoram de fato os fatos


Nenhum comentário:

Postar um comentário

da transmutação do tudo em nada ou do nada em tudo

quanto mais ando mais quero andar quanto mais sei mais quero saber mas quanto menos quero melhor estou quanto menos almejo ...