das palavras que ando guardando

a cada dia que passa,
em cada memória que transpassa,
inúmeras palavras inundam
meus pensamentos soltos,
involuntários
voláteis

mas enroscam ali,
nas artérias do coração
e nas amarras dessa convenção 
provocando uma enchente
maremoto que arde
em taquicardia
que até parece...
mas não.  
não tem aquela euforia

uma certa alegria por terem voltado
mas uma certa frustração por não conseguir configurá-las

da transmutação do tudo em nada ou do nada em tudo

quanto mais ando mais quero andar quanto mais sei mais quero saber mas quanto menos quero melhor estou quanto menos almejo ...