Viento en la Ventana

o vento
o meu vento
já falei do vento
já ouvi e falei do vento
já falei do meu amor pelo vento
já vi meus amores jogados ao vento
já falei dos meus amores jogados ao vento

o vento num zunido
me entra pelo vestido
me acaricia as pernas

o vento me entra pela janela
bagunça minhas querelas
derruba as aquarelas
quebra meus vasos
meus porta-retratos
e apaga as minhas velas

sem ninguém ver,
o vento toca o meu rosto
e me acaricia os braços,
e me força um abraço
e vai embora,
batendo a porta

qualquer semelhança é mera coincidência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

da transmutação do tudo em nada ou do nada em tudo

quanto mais ando mais quero andar quanto mais sei mais quero saber mas quanto menos quero melhor estou quanto menos almejo ...