Soneto da Ebulição

Autorretrato de Gustave Courbet


cheguei no ápice do que eu pude conter
uma gota mais e transbordei no anoitecer
e então corri bastante para chegar
mas não sei bem em que lugar

e no âmago encostou-se meu sonho
e desconstruí tudo aquilo que proponho
tenho uma alma e um corpo para sintonizar
e ainda mais algumas inverdades para atestar

quando me pego buscando as questões da fé
lembro que sou só uma menina e o quanto é cedo,
e me apego ao Conselho: inútil dormir que a dor não passa

e quando puseram a espada e a luz sob meus pés
entendi que tenho que empunhar do meu próprio medo
para enfrentar aquilo tudo que machuca e que me mata


da transmutação do tudo em nada ou do nada em tudo

quanto mais ando mais quero andar quanto mais sei mais quero saber mas quanto menos quero melhor estou quanto menos almejo ...