(meu) Retrato

por Sarolta Bán

eu não tinha esse rosto de hoje,
assim calmo, cansado, observador.
usava mais de ausência de cor,
mas eu não tinha esse peso-pudor.
houve um tempo sem olheiras.
não usava essa cabeleira.
meu mapa não tinha tantos quilômetros,
e os círculos tinham outros parâmetros.

feito Cecília, me perguntei também
em qual espelho havia ficado minha face?
mas antes mesmo que eu pensasse
lembrei de como mudaram os (meus) outros também;
a cada reencontro, sempre tão esperado
lá estamos nós adicionados
de tempo e empírica
cada vez mais.

os dentes e os sonhos, continuam tortos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

da transmutação do tudo em nada ou do nada em tudo

quanto mais ando mais quero andar quanto mais sei mais quero saber mas quanto menos quero melhor estou quanto menos almejo ...