Cadências e Cadeias

por Sarolta Bán


quando eu não aguento mais cantar,
me ponho de volta ao dó.

mas quando a coisa dá de desandar,
desanda tudo duma vez só.

desanda a grande massa
que me desanda a rotina
que me desata o nó

e ressuscitam fantasmas
e me ressaltam as cismas
levantam o pó

então desando em alergias
em indecências e impotências
desando em nostalgia

e desandam todos os outros rolos.
erro de continuidade.
quebra de eixo.

eu ando sempre a consertar.
eu tento sempre concertar.
mas sempre desanda alguma coisa na vida,
sempre que resolvo voltar a andar.

da transmutação do tudo em nada ou do nada em tudo

quanto mais ando mais quero andar quanto mais sei mais quero saber mas quanto menos quero melhor estou quanto menos almejo ...