Eu Não Quero Receber Flores

O Beijo - Edvard Munch


me identifiquei tanto com Joana
daqueles quadrinhos compartilhados
na teia virtual, a rede social
que não teve como.
tive que falar.

eu amo flores, mas prefiro as minhas.
as plantas me encheram os olhos toda vida.
bromélias, cactus, orquídeas, primaveras,
daí nasce meu amor por mexer com a terra.

e justamente por amar as flores
é que não as quis em vasos ou buquês,
pois recebo regadas de um amor instantâneo sem porquê,
do tipo que me é assustador, pesado e sufocante.

e me afogam rápido as expectativas alheias.
e cada vez que me propõem um mar de rosas,
tenho que falar o que não se diz,
tenho que explicar no que minha mente devaneia.
desgastante.

a ideia do novo,
sempre me atraiu mais.
as melhores experiências
são aquelas que a gente procurou saber por si.
para si.
sentir primeiro por si.

preciso aprender para poder ensinar.
e preciso tomar conta de mim para poder me dedicar
ao cultivo daquele amor-de-casal,
que tanto me questionam
sobre a falta que eu tenho que sentir dele.

pra mim,
esse amor não funciona a curto-prazo,
não é um best-seller,
não cabe em caixa de chocolate,
nem são essas supostas afinidades que estão à vista.
não é à primeira vista.

não cresce
nem floresce de um dia pro outro.

tal como as flores que as pessoas podam - matam
para demonstrar um amor que, tal qual as flores
vai ser podado e morrer

livramentos

me perco nas palavras bonitas nas frases bem ditas das linhas benditas que são escritas em livros de todos os tempos logo, me perco no ...