Ecdemomania

é tanto amor dentro dum peito
tanto que a cidade já não comporta,
noutros continentes em mente já se aporta,

a fim de conhecer outros tantos leitos.

e é tanto amor dividido entre poucas
que só o mar poderia acomodar tanto
espalhando um pedacinho em cada canto
atestando a minha essência de louca

vou batizar de Servo de Iemanjá
e fazer uns poucos convites
para ver outras auroras

vou enfrentar novas marés
e deixar muitos abraços no trapiche
e nós, nós vamos viver felizes nos mares afora

da transmutação do tudo em nada ou do nada em tudo

quanto mais ando mais quero andar quanto mais sei mais quero saber mas quanto menos quero melhor estou quanto menos almejo ...