Autossuficiência

 “Diogène” - Jules Bastien Lepage


no fim das contas
ele acendeu um cigarro novamente

chorou para o espelho do banheiro
para o cachorro
e para a Lua
e correu pra rua

no fim das contas,
sempre foi assim
desde o primeiro 5 de janeiro
desde que comprou o primeiro isqueiro

no fim das contas
só tinha uma ponta,

mas resolveu,
se resolveu,
se dissolveu em lágrima
no fino véu
entre o que é intra
e o que é céu

Nenhum comentário:

Postar um comentário

da transmutação do tudo em nada ou do nada em tudo

quanto mais ando mais quero andar quanto mais sei mais quero saber mas quanto menos quero melhor estou quanto menos almejo ...