Autossuficiência

 “Diogène” - Jules Bastien Lepage


no fim das contas
ele acendeu um cigarro novamente

chorou para o espelho do banheiro
para o cachorro
e para a Lua
e correu pra rua

no fim das contas,
sempre foi assim
desde o primeiro 5 de janeiro
desde que comprou o primeiro isqueiro

no fim das contas
só tinha uma ponta,

mas resolveu,
se resolveu,
se dissolveu em lágrima
no fino véu
entre o que é intra
e o que é céu

Nenhum comentário:

Postar um comentário

livramentos

me perco nas palavras bonitas nas frases bem ditas das linhas benditas que são escritas em livros de todos os tempos logo, me perco no ...