minha nudez é amor.

por Ryan McGinley


Ando nua pela dúvida,
nua numa nuance
de ventos e ventanias
de cores e cromoterapia
de brisas, texturas e transes,
nua numa nuance.

Para quem duvidou e duvida,
ando nua na rua da vida,
aprendo e me desprendo,
reaprendo e me livro
assim me torno livre
e fica só o inevitável.

O amor foi e é inevitável.
E o amor que tenho até então, me é
colorido, sui generis, confortável.
Ele me venta, me tenta, me chove,
me aspira, e me inspira,
me vive, me dói e me morre.

Por fim, só deixo a minha gratidão
por poder amar os que amo,
andar nua por onde ando.
E não só por saber ouvir,
ou por ser mais um banco de memórias,
mas também por poder construir histórias e estórias.


da transmutação do tudo em nada ou do nada em tudo

quanto mais ando mais quero andar quanto mais sei mais quero saber mas quanto menos quero melhor estou quanto menos almejo ...