Achados e Perdidos da Faxina



( por Pierre Mornet) 


Para todo o pessoal que tira a botina. 
Nessa semana, o tempo passa diferente
enquanto conhecemos rostos e gostos diferentes
enquanto nos reconhecemos diferentes
enquanto investimos em caminhos diferentes.

Entre a rua dos Correios, e as do calçadão,
andei cruzando receios com o meu coração.
Entre praças escondidas no nada,
em algumas noites geladas,
nós ficamos presos em cada minuto,
prensados pela gravidade no firmamento,
sentindo em todos os sentidos,
a eternidade de cada palavra, de cada momento.

A gente se prende, se perde, se guarda.
e as coisas que acontecem a gente guarda.
e às vezes, a gente admira de fora, resguarda,
às vezes admira por dentro, interpreta, personifica
às vezes derrete, e às vezes petrifica
e às vezes esquece, mas o que importa fica.


livramentos

me perco nas palavras bonitas nas frases bem ditas das linhas benditas que são escritas em livros de todos os tempos logo, me perco no ...