Dúvida,

(Distante - Willian Turner)


....não houve pior do que aquela que obriga a buscar coragem, coragem!, onde não havia, aquela que fez doer a cabeça e o peito, que precisa de embriaguez. Tanto empenho, tanta coragem, mas tanto tanto que é quase uma possessão... 
           Qualquer mané dizendo que se deve tentar para dizer que tentou, qualquer mensagem de vida-perfeita e/ou de valores-das-coisas-pequenas da Ana Maria Braga de manhã, qualquer livro de R$ 14,90 que tenha a capa num tom pastel rosado do catálogo do mês passado, qualquer pinga da cachaçaria do Zezão, qualquer passagem lhe serve como sinal divino, empurrãozinho do seu deus, orixá, santo ou anjo, força cósmica ou simplesmente acaso. Chame do que quiser.
          Feito todo o processo do encorajamento, faz-se o questionamento. Seja qual for a situação, na vida espiritual, profissional, conjugal, extra-conjugal, parcialmente virtual, afeto-sexual, sócio-econômica, cômica, lacônica, interiorana, metropolitana, cigana. Seja qual for, imagina-se todas as possibilidades de resposta, calcula-se que a probabilidade do sim sempre será maior que a do não, mas atesta-se que o não existe de qualquer forma. Tudo que a gente imagina não acontece. 
           A gente carece de resposta, mudando a vida ou não, arrasando com tudo ou não. Qualquer resposta terá de ser aceita, menos uma: o silêncio.  
           Se a resposta for o silêncio, ai do coração... Quando a resposta é silêncio, não há chão, nem muro, nem teto, nem parede, nem voz que consiga gritar o suficiente, nem infarto que aperte dessa maneira, porque silêncio tortura.
            poderia ter sido sim,
            poderia ter sido não
            poderia ter sido não, mas gostaria
            sim, mas não deveria
            sim, mas não poderia
            não, porque não queria
            não, porque não queria algo que não teria depois
            sim, mas sem ninguém saber
            sim, mas com todos sabendo
            não, mas na próxima será admitido
            não, a empresa não permite
            simplesmente não
            simplesmente sim

        O silêncio é qualquer coisa.

                     Suspiro

(                                                                                                                                                              )

da transmutação do tudo em nada ou do nada em tudo

quanto mais ando mais quero andar quanto mais sei mais quero saber mas quanto menos quero melhor estou quanto menos almejo ...