É sempre a última dança

 Onde é que eu estive nesses últimos anos?
Isso tudo não estava nos seus planos.
e as cabeças flutuando no céu do meu bairro
e as flores recebidas estão se desmanchando
de acordo com o acorde que o vento está soprando
no chão de madeira do meu quarto
e o ápice da embriaguez nas ruas antigas
e a margem seca do córrego que foi grande um dia
e os cigarros que eram tão prejudiciais
e as bonecas que eram tão especiais
e o pedido de permissão, não podia faltar
se for para fazer isso agora, nem sei por onde começar
e o não que era tão constante
e o sonho que era tão distante... ?
Que absurdo.
Está tudo aqui, tudo ali, tudo lá
sempre a um passo de começar!

da transmutação do tudo em nada ou do nada em tudo

quanto mais ando mais quero andar quanto mais sei mais quero saber mas quanto menos quero melhor estou quanto menos almejo ...