Acúmulos

Algumas primaveras morrem, e outros nem as tiveram.

O tempo não é mais o mesmo. O clima não é mais o mesmo.

Minhas Flores de Maio só abrem em junho.

Meus olhos não enxergam mais do que o invisível.

O seguro é querer ter dinheiro.

O olhar de deboche perfurou aquele menino que sonha.

Ter preferências já não adianta, melhor ter status.

O tempo já não é mais o mesmo. O livro já não é mais o mesmo.

A primavera morre mais uma vez no próximo dia 21.

Os meus olhos de ontem já não são os de hoje e nem serão os mesmos amanhã.

O invisível, mais do que isso, agora é distante.

O apego material o afastou, e o afastará sempre.

O olhar de deboche queimará os olhos do seu dono um dia, quem sabe.

E ter preferências vai ser melhor do que ter status um dia, quem sabe.

E o tempo não será mais o mesmo. E o disco também será outro.



da transmutação do tudo em nada ou do nada em tudo

quanto mais ando mais quero andar quanto mais sei mais quero saber mas quanto menos quero melhor estou quanto menos almejo ...