Berceuse Pour Demain

"Abra a janela e veja o luar. Porque amanhã talvez não há. Sente-se na cadeira, leia seu livro, ouça sua música, fale com as estrelas, puxe seu último cigarro. Chore sua última lágrima. Lembre-se do gosto da dor. Tente não ver o amanhã. Sinta como é respirar, mesmo isso não ter sentido algum. Cante alguma canção para o céu vago. Faça dessa noite, tua criação. Tome sua última xícara de café porque o amanhã é incerto. O amanhã é incerto... Faça sua última dança, seu último riso, sua última infância. Não se preocupe, sinta-se só. Porque o crepúsculo existe para nos conceder sua solidão. Escute o som que a noite faz. Porque logo logo amanhece. Seja solilóquio por hoje. Porque o amanhã, o amanhã não existe!"

Samira Assis


da transmutação do tudo em nada ou do nada em tudo

quanto mais ando mais quero andar quanto mais sei mais quero saber mas quanto menos quero melhor estou quanto menos almejo ...